quarta-feira, 2 de agosto de 2017

A outra parte do presente que não foi entregue

A primeira lembrança que tenho em minha mente é você sozinho numa mesa de bar levantando sem jeito pelo nosso convite de sentar com a gente derramando o litro de cerveja inteiro em você, obviamente não deixaria que fosse para outro continente sem ter a certeza que levaria alguma proteção contigo. Não que você precise de muita proteção, porque se tem uma pessoa que sabe se virar na vida é você, mas a gente é brodinho e quando se cria uma relação assim não tem como não se preocupar, principalmente quando sabemos o tamanho do coração que atravessou o oceano em seu peito.
Sempre acreditei que cada objeto que carregamos em nossa vida leva um pedaço da gente, o seu presente é uma fita do Nosso Senhor do Bonfim, eu ganhei durante o ENEA Sampa no ano passado e pendurei no meu quarto, não sei porque não quis usar os três pedidos, acho que os seus serão melhores que os meus. Queria que levasse algo cheio de significados brasileiros, da nossa cultura e desde o início quando me perguntei o que deixaria com você, tinha certeza de que uma parte do que pensaria iria incluir a fita.
Espero infinitamente que de alguma forma esse presente singelo tenha levado um pouco da sorte e carinho que desejo a você. Sorte para conseguir encontrar pessoas incríveis que te façam rir e sejam bons companheiros de bar. Sorte para que aprenda em cada experiência única que tiver aí. Sorte para que estude bastante e melhore seus conhecimentos para crescer como ser humano.
Carinho para quando se sentir só saber que sempre vai ter uma amiga que torce pelo seu bem. Carinho para quando ficar frio você não se sentir desamparado. E carinho de novo, por todo o cuidado que você tem com aqueles ao seu redor, por todo abraço que vou sentir falta, por ser o amigo soneca mais compreensível!
Obrigada Faubo, por tudo, você é uma pessoa incrível, ganhe o mundo e volte porque companheiros bons de bar a gente não acha todo dia! Vou sentir saudades.