quarta-feira, 26 de julho de 2017

Talvez o mínimo seja pouco para mim;

A voz chega mansa no meio da tarde, vem sorrateira e se esconde atras do seu tímpano, mas sabe bem o momento correto de dizer que você não é capaz. Não é capaz de seguir adiante. E você se rende as vezes, deita no travesseiro em meio as lembranças e cai no conto da nostalgia. Mas o mundo é feito de sensações presentes, de proposições futuras, o mundo não é um substituto para o novo cd de um dos seus cantores favoritos. O mundo é mundo e ponto. Se você aceitar viver na nostalgia ira esquecer do brilho do sol entre as folhas e do tamanho da importância que estes exercem. Entretanto a mente vaga a procura de uma lembrança confortável, que faça rir só com a imagem construída em tons rosas e laranjas, seu corpo clama por um engradado de bebida, sua falta de nicotina grita para deixar seus nervos no lugar. E todos esses acontecimentos teimam em fazer parte do seu cotidiano porque a voz ainda persegue sua presa. Eu mesma. Você mesmo! Sabe o que deve ser feito quando ela chegar de mansinho? Mergulhe sua cabeça embaixo d'água até que o único som ouvido seja a água caindo pelo seu corpo. Porque no fim eu só quero que essa voz VÁ SE FUDER!

terça-feira, 18 de julho de 2017

texto interrompido por uma boa conversa

Já esteve sentado em uma mesa cheia de pessoas e se sentiu sozinho? Sentiu como se tivessem tirado sua aura do lugar e levado ela pra longe? Você continua sorrindo e todo mundo ama quando você sorri, e você sabe que todo mundo ali ama te ver sorrir, por isso você finge que seus olhos não estão marejados. É como uma sensação antiga, de quando andava no corredor com todas as luzes apagadas, é a sensação de querer gritar mas não poder acordar seus pais. E como tudo isso é uma droga! É uma droga ser dependente das pessoas ao seu redor, é uma droga guardar todos seus sentimentos porque pessoas queridas não conseguem te ouvir. Porque esse mundo é doente. Porque todo mundo é doente! Doente Mental. Eu odeio incansavelmente o que minha mente faz comigo. Porque eu não sou boa suficiente. Porque eu não sou amiga suficiente. Porque eu não sou apaixonantemente suficiente. Porque eu sou fingida. Porque eu sou mentirosa. Porque eu sou traidora. Porque sou péssima filha!

E no fundo cada um sabe realmente o que é. Eu sou tudo isso, eu sei que sou. Mas as vezes alguém pousa do nada e vem te dizer que você também é "maneira"... então pensei: será que isso é suficiente?

domingo, 9 de julho de 2017

Por mais dias, porque a hora já foi.

Foi com a inspiração daquele que me ensinou tantos outros amores que percebi que precisava escrever. Escrever sobre alguém. Escrever sobre o sentimento para com esse alguém. Escrever para deixar ir. Escrever para não sucumbir em meio a tanto querer sem poder. Porque afinal escrever me faz esquecer o medo. O seu medo e o meu medo. O medo que blinda o ser humano, o medo que te faz recuar antes de saber se isso pode ou não te machucar. O mesmo medo que inconscientemente você me afastou. O mesmo medo que conscientemente eu quero te afastar. Medo que é fruto do passado, mas que pensa no futuro. Medo que nos faz esquecer que essa vida é só uma e que não precisamos temer quem nos faz bem. Alias a vida é simples não? E sobre simplicidade a gente entende, e como entende. A gente se entende no fim das contas, porque explicar sobre a vida é parte do cotidiano. Eu te escuto. Você me escuta. Ninguém se julga. E eu acho que falo porque a primeira vez que toquei em sua mão eu vi amarelo. E não consegui esconder de você o que o amarelo significava. E depois daí eu pude ser eu, de todas as maneiras possíveis. Pude ser um olhar despreocupado e uma brisa leve que seguia sem amarras, uma brisa livre. E por ser livre que me apaixonei. Você não entende o porque, mas eu te explico: porque a simplicidade e liberdade me encantam! Mas sentir é complicado, sentir de longe é mais complicado ainda, sentir quando a outra pessoa não quer sentir é ainda mais difícil. Só que a vida é um grande Jair que gostava da Vera que gostava do Antonio, mas que pode virar um Jair que gostava da Vera e da Vera que gostava do Jair de um ano para o outro. O que quero dizer com tudo isso é que não vou colocar esse sentimento em um potinho e esperar que você possa sentir algo, ele vai existir por tempo indeterminado, ele pode existir até o fim do ano como se esvair no mês que vem. O que quero dizer é que enquanto eu senti-lo vou cuidar com muito carinho porque o caminho que esse sentimento trilhou foi simples e livre, foi encantador. E tudo bem se daqui alguns anos eu entrar num bar e lembrar do final de La La Land quando ver seu rosto. Porque no fim nos dois sabemos que foi importante. Importante para mim. Importante pra você. Obrigada.