sábado, 22 de outubro de 2016

Você já foi tocado por uma criança?

Foi como uma manhã bem amarelada de nascer do sol, com uma cor laranja inesperada. Esses tons passavam de uma cor a outra rapidamente conforme as crianças apareciam. E foi assim como o inesperado, sem muita cerimonia, porque não é preciso essa tal coisa para a inocência, ela é arrebatadora e brilha como os dentes separados de cada uma delas. Pouco a pouco uma parte de mim foi ficando preenchida, acho que é parte da tal humanidade que em grande parte do tempo deixamos de lado para satisfazer nossas próprias individualidades. E foi na simplicidade de cada atenção pedida que me derreti por aqueles olhos carentes, pela necessidade da presença de um estranho em sua vida, estranho esse que parece ser mais estranho ao se nomear assim, já que somos tão próximos no sentido humano da vida, somos seres idênticos não é? Cada um com sua característica mas ainda sim muito parecido internamente, mesmos ossos, mesmos músculos!
E mesmo diante de tantas coincidências ainda encontramos abismos tão grandes, porque as necessidades são muitas, os desejos então nem se falam. E mesmo que uma história de índio não seja ouvida de todo coração, os desenhos saem de todo corpo, doado para você! E depois de muitos anos te perguntam qual sua cor favorita só para poder te agradar, roxo foi tão aleatório quanto minha falta de jeito de entender o que se passava, fico feliz em saber que o roxo coube bem naquelas linhas tortinhas feitas por mãos tão pequenas e dedicadas. Em momentos como esse percebemos como a presença pode ser tão sensacional para o próximo quando vemos um avião de papel planar depois de ser jogada por um sorriso extravagante em felicidade por ter aprendido uma dobradura tão simples.
Pouco a pouco tudo começou a colorir-se, como a linha que levamos para ensina-los a importância das conexões entre amigos, mesma linha que fez anéis, pulseiras e colares para todos, porque um coração dócil decidiu dividir suas habilidades com todos. Ter meu dedo preenchido por aquela linha e uma borboleta de plástico foi um dos momentos mais significativos do meu dia, foi como sentir novamente uma cor diferente misturando-se com a minha. 
As divagações foram tantas ou maiores que meu cansaço depois de um pega pega corrente, é impossível viver todos esses momentos e não perguntar-se o que fazer para inserir esses olhares em sua profissão, pensar na cidade é uma responsabilidade enorme, precisamos desse tipo de cor dentre as ruas, durante sua caminhada matinal, enquanto passeia com seu cachorro, para brincar com nossos filhos, PRECISAMOS DE COR!
Para que quando receba uma flor lilás de um rosto envergonhado e cheio de carinho você não sinta vontade de chorar na frente de uma criança. Tenho certeza de que plantaremos juntos uma horta linda, mas não tenho duvida alguma de que a terra que será plantada com sementes diversas, essa terra, será a nossa.

sorrisos. três rosas e um anel foi o saldo final desse dia. Que dia!

segunda-feira, 3 de outubro de 2016

hoje é, não é?

Hoje é um daqueles dias que não tá fácil segurar o aperto que existe dentro do peito, ele nem ao menos faz algum sentido. E é esse desconhecimento que me intriga tanto, quero entender mais sobre minha própria espiritualidade, mas fica difícil enquanto minhas prioridades não são: eu mesma. E ca estou preocupada com o próximo, porque tenho medo das pessoas perdidas, quero que elas encontrem-se, porque eu realmente confio no que se diz: Ainda há tempo. Então eu repito três vezes em minha mente: Tranquilidade. Há espera de que esse sentimento se esvaia, mas como disse, hoje é um daqueles dias difíceis. E ainda por cima, chove. E pra mim dias chuvosos não me aquecem. Esse é um daqueles dias que não queria consolar, queria receber um abraço bem forte e tentar entender minhas próprias mudanças.
Mas dentre todas as certezas, a que eu concluo é que dias como esse, são feitos para nos fortalecer, é hora de entender que muitas pessoas adoecem e nossa fortaleza está em nosso próprio pensamento. O mundo parece perder-se em meio a energias isoladas e tão carregadas negativamente e se a cada momento de fraqueza deixar que essas energias tomem conta, só tendemos a encontrar um abismo intransponível. É e tão fácil quanto a água que desce na correnteza, seguir uma onda de energia desarticulada, em um mundo que os caminhos tornam-se mais tortuosos, na qual o ódio prevalece a sentimentos comunitários é realmente difícil acreditar em frequências de energia que nos conectam. Só que o trilho que leva os momentos mais alegres está ali, pronto para gerar novas bolinhas de cristal que brilham, e esse texto mais parece um divertidamente, uma mistura de sentimentos, que nem ao menos sei lidar. Obrigada palavras, vocês me fizeram muito bem hoje, como sempre!