quarta-feira, 6 de novembro de 2013

S.

O corredor pequeno e escuro por um momento pareceu infinito e sem nenhum brilho de luz, nesse momento a sensação de voltar ao passado cegou-me, o chão pareceu deslizar sob meus pés até sentir minha alma afastar de meu corpo perdido naquela nostalgia dolorida e que infelizmente me deixava feliz porque sabia exatamente o que aquele sentimento remetia. Um zumbi, um olhar sem vida onde o medo era algo completamente sem sentido, porque não me afetava. Lembrar de quem eu fui é como mergulhar em uma piscina gélida e sentir feliz recebendo as inúmeras facadas sem pensar na dor. É simplesmente bizarro relembrar e ter a certeza de que tudo mudou quando o sol apareceu.

quarta-feira, 24 de julho de 2013

desabafo, se fosse você não leria ...

Existem dias em que a mente prega peças em você, esfrega o passado na sua cara, aponta suas falhas e ri do quão mal você pode ficar. Mas o que fazer perante tanta ansiedade? Quando você anseia tudo e pensa nada ter. Quando quer dar passos maiores que suas pernas, precipita-se e cai. Na boa, dias como esses poderiam ir pra puta que pariu e nunca mais voltar.

"Nesses dias é preciso pensar em auto controle", mas como controlar sua mente? Ela não é concreta, não segura-se com as mãos para não cair, não treina-se para obter melhores resultados, não livra-se jogando aos ventos, não rasga-se imagens e muito menos seus ideais.Ta ai, uma pergunta que não faço a minima de como responder, como obter controle sobre algo abstrato...

Abstrato... bom, é como o coração, que por muitas vezes balança por dias, meses, anos e no fim é esmagado, machucado e mesmo assim continua batendo, eita bicho burro! Isso que resulta ser abstrato demais... é difícil de controlar.

Por isso, percebi o quão perigoso é lidar consigo mesmo, a mente fraca monta um quebra-cabeça com suas peças e te mostra apenas o que você não precisa relembrar, ou exatamente o que você precisa para sentir-se temporariamente melhor. Assim, conclui que não tenho respostas para nenhuma dessas perguntas e ter um psicológico abalado nessa modernidade é tão fácil quanto cair durante a infância.


sábado, 20 de abril de 2013

Um sonho insonhável


Uma vez ouvi dizer que as borboletas viviam apenas um dia, curiosa, busquei sobre a informação e ficou claro que era falsa. Entretanto, isso me fez pensar no quanto tudo é instável... um relacionamento, uma amizade, uma família. Tudo é abalável, pois o ser humano é como uma trilha de dominó quando trata-se de sentimentos, um choque, um erro, uma atitude impensada é capaz de desfazer toda uma estrutura. Gostaria de entender porque existe uma dependência tão grande quando o assunto é ser feliz, porque é necessário alguém ou alguma coisa para trazer essa felicidade.

Atualmente passa-se mais tempo infeliz do que feliz, você é instruído desde pequeno a estudar, ter um bom emprego, para ganhar bastante dinheiro e conquistar uma vida confortável. Mas me pergunto, para que vou querer tudo isso? Será que não seria mais feliz ao morar na beira do mar, numa casinha de bambu comendo frutas invés de Fast-food, olhando o próximo na mesma situação que a minha, será? Gostaria muito de saber, mas infelizmente eu nunca vou ter essa resposta, pois já sou uma robozinha treinada nesse mundo cada vez mais carente.

Eu sinto que as vezes seria a melhor opção, porque ao passar por um bosque, ao entrar em contato com a natureza, me sinto viva, não preciso de alguém ou algo para me fazer feliz, entre em sintonia com a vida. Imagino que isso não aconteça apenas comigo, pois a natureza tem o dom de tocar em você. Sabe quando escuta-se uma música estonteante que te faz querer erguer suas mãos no show? Ou quando a pessoa que você ama finalmente toca seus lábios? Essa é a sensação que sinto quando adentro um bosque e vejo uma borboleta passando na minha frente, dançando em seu voo mais que divino. Essa é a sensação que tenho ao ver o mar do nosso Brasil brilhando diante do sol e seu som brincando de me fazer relaxar, são essas sensações que me dizem que posso ser feliz comigo mesma, com a minha vida.

Por isso, queria poder viver uma vida de "vagabundo" construir minha própria casa em harmonia com a natureza e o meio ambiente. Queria retroceder aos meus ancestrais, aqueles bem longínquos que pescavam, caçavam e alguns até canibalizavam (masesseseunãoqueropertodemimnãohaha), quero simplesmente viver sem ter que contar o tempo e sentir a vida passar pouco a pouco, poder aproveita-la em todos os sentidos. Viver de acordo com o cronometro da natureza, sem hora para ser feliz, porque todo momento é momento!

Good vibes para essa semana :)