quinta-feira, 6 de dezembro de 2012

Minha visão sobre as cotas

É tão corrosivo ouvir pessoas falarem sobre as cotas, são opiniões distintas, algumas errôneas e preconceituosas, outras sonhadoras. Senti vontade de dar a minha opinião sobre esse assunto no quesito de cotas sociais e não raciais. Historicamente, o Brasil enfrenta um problema que é praticamente uma doença dentro da sociedade, a educação de base. É um pilar fragilizado, que o governo não quer sustentar da devida forma e usa as cotas para tapar as rachaduras que não se sessam em abrir. É óbvio que essa medida não contribui da melhor maneira possível, pois o pilar tá ali, ele existe, mas não passa uma real segurança para quem habita o local.

O caso é que na realidade o país precisa investir no início do problema, porque não dá pra correr sem aprender a andar, porém essa medida não é de todo mal, eu como ex-aluna de escola pública, sei muito bem da deficiência do ensino. A maioria dos professores são despreparados, a escola não possui infraestrutura, os alunos não tem empenho em aprender. É como falar sem ser ouvido. É como querer ouvir em um show no rock in rio. Agora, como uma pessoa que vive tudo isso pode ter oportunidade em entrar em uma faculdade pública (que teoricamente seria para pessoas que não podem pagar o ensino particular), competindo com pessoas advindas de escolas particulares, que preparam seus alunos desde o ensino fundamental?

É difícil um aluno de escola publica olhar para essa desigualdade e sentir-se capaz de entrar em medicina na USP. A cota tornou-se o Messias desses alunos, que batalham para diminuir uma diferença de anos de aprendizado. Entretanto, é triste ler que o ensino nas faculdade publicas vai cair absurdamente por culpa dos cotistas, como se nós não tivéssemos capacidade de acompanhar o ensino. Muita coisa entra em jogo, eu sou cotista e não é por isso que não estudo, pelo contrário, estudo muito. Talvez esse nível realmente caia, porque nem todo mundo tem o mesmo empenho, mas ninguém pode julgar algo que nem entrou no tabuleiro, não dá pra saber quem vai ganhar antes de ouvir o xeque-mate.


Descanse em paz Niemeyer :)